segunda-feira, agosto 22, 2016

Linha do céu



foto glgsoares, Torres del Paine (fev. 2011)

Eu gosto de conversar. Eu sou um conversador. Professor universitário e pesquisador. Não conheço nenhuma verdade. E duvido das verdades que conheço. Acredito no que não creio e creio no imaginável. Gosto tanto do antigo, quanto do revolucionário. Quais as ideias conhecidas? Quem sabe? Quem inventaria a roda todos os dias? Pra que serve ter uma razão? Uma razão é a torre alta feita de marfim. É a linha irregular do horizonte das grandes aldeias. Eu quero tocar o céu. O céu tem nuvens que são qualquer coisa e viajam ao vento. O céu tem o sol e tem chuva. Do céu goteja o limite que umedece as mãos, escorre por entre os dedos e sacia a sede das sementes. Sim! As admiráveis sementes. Elas não tem limites e rompem o concreto pra germinar e florescer - flores carregadas de amanhã, de frutos e de novas-idades. 

Eu gosto de conversar. Eu sou um conversador. Mas no final de uma conversa, costumo me despedir com a mão estendida, segurando uma flor.



g.s. setembro, 2106

Nenhum comentário: