sexta-feira, julho 19, 2013

Escrita

Escrevo não-poesia
repleta do que é esperado
para ser

Nem toda beleza que eu encontro
na confusão das asas
ou na fronteira luz-escuridão
fica aprisionada

Deixo que vá
Pois está

jul, 2013