quinta-feira, julho 22, 2010

Virulência



E o corpo
Está ali entregue
Quem sabe morto

De tão longe se viu
Além de antes do porto
Onde nau e deriva
Não tem mar
Tampouco ar
Nem amar desarmado

Eita, vida desalmada!

julho, 2010

Nenhum comentário: