domingo, julho 25, 2010

Contraponto



As vezes sou transcendental
Outras vezes rastejo
Como um animal

Alguns dias eu sou dor
Outros dias, sorte

Sou aquele que duvida
E o mesmo que se arrisca
Até a morte.

Se sou (pra você) distante
Posso também ser o próximo.


jul, 2010

3 comentários:

FRIZERO disse...

O próximo, por favor.

denise disse...

Ge:
meu iluminado amigo, herói
de onde vem tamanho encanto ?
que segue n'alma que inflama e arde ,
brota ternura, mesmo que em noite escura.
sussura e faz todo o alarde...

Que brilho intenso sái de existência eterna
aflora nas linhas silenciosas de uma pequena tela (de rede);
invisível , inaudível e eternamente singela.
Quantos seriam os segredos que em ti enterra.

AH!! que linda pessoa , que traz tanto poema na alma...
que mundo é esse o nosso?????? e como pode , em meio a um estéril deserto, brotar tanto brilho de um pequeno menino, doce.....
que pessoa linda vc se tornou............
um abraço forte e muiiiiiiiiiitooooo obrigada por me presentear com tanta ternura.......

e que venha a morte para que possamos sempre renascer a cada dia........
e com sorte, seremos eternos em nossos pequenos passos para essa evolução que nos toma por opção.....
sem medo ou escravidao.....sem neura ou obrigação....simples e pura intuição......
te adorooooooooooooo
bjoks


dprazias

João Lima Jr. disse...

Obrigado por incluir meu blog na sua lista de favoritos!