sexta-feira, abril 10, 2009

Do tempo ao verbo (ou o furto)


Eu
Que me acreditava
O futuro do meu pasado
Sou na verdade
Um presente contínuo 
Que nunca será classificado.

Abril/2009

Nenhum comentário: