quinta-feira, março 05, 2009

Dispersão



Cedi à força do desejo
Entreguei-me ao meu destino ateu
Sentindo o acre-doce do beijo
Daqueles lábios que não eram os teus.

Amo e às vezes amar é só instinto
Outras vezes é distância, é tormento
Então só penso no amor que sinto
E esse pensar torna-se pressentimento.

Amei tanto e, que grande ironia
Passei do ponto de te amar
Quando olhei meus braços, eles se moviam
Apesar do peso dos abraços que não pude dar.

Dezembro, 1988

Nenhum comentário: