segunda-feira, janeiro 19, 2009

Sem título


Ultimamente tenho contemplado a vida, com o coração vazio. Nenhuma espectativa. O sol me aquece. A chuva molha meu rosto. O tempo apenas passa. Dou me conta que tudo é como deve ser e será assim. Há em tudo isso uma grande noção de finitude. 
Todo fim é necessário - seja dor ou alegria.
Ora, não há nenhuma descoberta nisso. Apenas certo dia, ao acordar, firmei esse acordo tácito comigo mesmo - não procurar mais a fênix meio as cinzas. Fogo apagado não se repete. Não existe retorno, nem recomeço. Só o novo é justo com a vida. 
Então, admito tudo, tudo, tudo, exceto voltar. E a minha frente está o meu caminho. E é por ele que devo continuar. É por ele que eu devo me renovar.
Passando meus dias repleto da minha consciência.
Passando meus dias a ler o meu coração;
Passando meus dias.
Dias que não me passam.

Um comentário:

Ed. disse...

gostei tanto daqui...