sexta-feira, janeiro 16, 2009

Fortuna



Perdi a propriedade do meu amor
Há muito não o tenho
Amo com um amor que não me pertence

Não há sorte, meu deus
Só o desenho dos meus arcanos
Não há sorte
Prefiro caminhar girando
Não há sorte
Desenhei a roda da minha fortuna

Andei por muitas terras desconhecidas
Desvendei a alegria dos cem mistérios
Caminhei com um coração repleto de alegria
Caminhei girando e voltei ao início de tudo
E o início de tudo também é passagem

Quem eu carreguei comigo
Com que braço me recebeu na volta?
Se me perco me perdeu
A roda da fortuna gira
Se me perdeu eu sempre me re-encontro
A roda da fortuna gira
Se me perdeu eu sempre te re-encontro
A roda da fortuna gira
Não há sorte

Só há a intenção do encontro
Não há sorte

agosto, 2008

Nenhum comentário: