quinta-feira, outubro 23, 2008

Epistola ao Unicórnio


Sei o que há de ti
Para além deste sono.

Quem te criou como uma fábula
Só queria te aprisionar...

E agora que a vida te revela novamente
Andaria firme da tua coragem
Não fosse o medo de ser real.

Quem mais será atraído pelo teu sonho?
Quem mais vai ter que acordar?

Out, 2008

Um comentário:

FRIZERO disse...

Sem palavras. Belo e mais significativo que imaginas, amigo poeta.