terça-feira, setembro 23, 2008

Sem Bagagem

Despedir-se, assistir de coração tranquilo e pleno o partir quem se ama, é um dom adquirido com a maturidade. Ontem despedi-me de um grande amigo. Tenho a certeza de que ele leva de mim o correspondente do que é dele e que permanecerá em mim tão fundo. Não há perdas. Nenhum dano. Houve lágrimas. Certamente houve uma grande emoção. Também houve o brinde com o vinho mais raro. Houve comemoração pela bagagem adiquirida com os anos - todos os anos: passados e vindouros - e que nos torna realmente quem nós somos. O "último abraço", eternizado na memória, fez todo o caminho valer a pena.

(Foto1: Porto Alegre, 25 de setembro de 2005; Foto 2, Porto Alegre, 22 de setembro de 2008)

Nenhum comentário: