quinta-feira, setembro 25, 2008

Quanto Dura o Tempo?

42 anos mais velho percebo que nunca deixarei de me sentir um menino. Aprendiz dessa arte surpreendente que é viver. Meu coração aos poucos abandona o divisor de águas entre o que foi e o porvir. Se fui feliz ou se serei... Difícil dizer. Sei que sou pleno em tudo que vivo. E plenitude é um outro tipo de felicidade.

Bem, o poetinha Quintana que permanece menino até depois de partir soube falar tão bem desse tempo que descubro à medida que cresço...

AH! OS RELÓGIOS

Amigos, não consultem os relógios
quando um dia eu me for de vossas vidas
em seus fúteis problemas tão perdidas
que até parecem mais uns necrológios...

Porque o tempo é uma invenção da morte:
não o conhece a vida - a verdadeira -
em que basta um momento de poesia
para nos dar a eternidade inteira.

Inteira, sim, porque essa vida eterna
somente por si mesma é dividida:
não cabe, a cada qual, uma porção.

E os Anjos entreolham-se espantados
quando alguém - ao voltar a si da vida -
acaso lhes indaga que horas são...

Mario Quintana - A Cor do Invisível

Nenhum comentário: