quinta-feira, setembro 25, 2008

Amar: Verbo Intransitivo

Não quero parecer triste. Longe de mim ser um homem triste. Mas meu coração anda encabulado e cansado de amar o perdido. E o perdido do amor é um amor que não tem fim, pois se tivesse um fim (amor) não seria. E qual o fim do amor? Outro abismo. Meu coração abismado e sem asas, nem pássaro é. Há muito tempo, eu mesmo, não-poeta escrevi sobre isso...


SINGULARIDADE
"Entre o beijo e a boca tudo se evapora." (Drummond )


Houve um tempo
Em que eu podia olhar o seu rosto
E sorrir quando você sorria.
Mas não quero esquecer,
Não quero que você esqueça,
Porque o esquecimento,
Esse abismo,
É ferida aberta
É dor de nunca mais passar.
( Andorinhas repentinas passam pela janela)
Beijo minha mãe fritando ovos,
Engomando camisas.
Beijo minha mãe que nem imagina
Porque eu ando assim:
Tão amarrotado...
(As roupas, o corpo, a alma apoiada num poste)
Ela não sabe que o meu coração
Também é um ovo quebrado,
Partindo-se nos pedaços
De um não sei o quê sem destino:
Às vezes vôo,
Outras vezes pássaro.
Paraplégico coração meu
Batido por coisas inúteis,
Tão inúteis quando nenhuma sensação
Carece de lembranças,
De alimento,
De camisas...
Muito menos um destino.
Junho, 1989

Nenhum comentário: